Um testemunho de como é possível destruir esta terrível doença e ser FELIZ!

.Desabafos recentes

. Vitória

. Feliz

. Dias bons

. Sobretudo medo

. Sobretudo medo

. Aprovada

. O tempo não chega

. Para a frente é que é o c...

. É agora ou nunca

. Indefenida

. O lobo

. Hoje

. Conclusão da consulta

. Com certezas

. Férias

. Aqui... Jamais fingirei

. O início do fim

. Eu mando

. Por favor

. Ao acaso

. Aprender

. Caminhar

. É mesmo possível

. Quem disse que era fácil?

. Mais um passo

.Arquivos

. Junho 2011

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.Outros Blogs

blogs SAPO

.subscrever feeds

Domingo, 29 de Julho de 2007

Derrotada

Neste momento não há nada de bom que faça. Os meus pais gastam 40 euros por semana para ir a Coimbra ao médico e eu não me quero curar, jumbei o ano, não estou no curso que quero, não consigo estudar, pegar nos livros, nem ir ás aulas, portanto não vou conseguir acabar o 1º ano, nem enfrentar os meus colegas que passaram todos. Afastei os meus amigos de longa data que conheço desde o 5º ano (os meus grandes Amigos), deixei de sair à noite e estar com pessoal. Não tenho vontade de sair de casa, engordei e não consigo emagrecer, recuso os convites para sair. Os meus pais andam saturados e ficam doentes de me ver assim.

Eu sei qual é a solução. 

Vejam como eu sou: há 2 semanas que deixei de ir ao médico. Disse que não me queria curar que o meu objectivo é emagrecer e que não valia a pena estar a perder tempo comigo. O psiquiatra foi muito explícito disse que não era nenhum salvador e que ás vezes há pessoas que têm de bater bem no fundo e que só ajudava quem estivesse disposto a ser ajudado. Mas eu não vacilei. Aconteceu mais ou menos o mesmo com a psicóloga que me acompanhava todas as semanas, mas esta foi mais compreensível e menos dura. Assegurou-me que estava ali quando precisasse e despedi-me. Eu não fui capaz de dizer aos meus pais que tinha deixado de ir à médica e continuei a ir a Coimbra para não desconfiarem até que descobriram há 2 dias. A verdade é que eu não fui capaz de dizer aos meus pais, porque não merecem, aliás é um desrespeito para qualquer pai que lutou tanto a vida toda para ouvir de um filho dizer “não quero viver, desisto”. Um pai que faz noites, não tem férias, renuncia de muitos prazer para dar o melhor para a família e uma mãe que todos os dias faz sopa, a melhor comida, tratou de mim sempre que estive doente e no final o que recebem? “Muito obrigada mas para mim chega. Continuem vocês com a vossa vida”.
Estou num dilema...
Mas afinal a vida não é nossa? Não podemos fazer o que quisermos? Costuma-se dizer que a nossa liberdade acaba quando começa a do outro, mas neste caso não interferia.
Sinto-me: desamparada
Publicado por Aninhas às 23:43
Link do post | Adicione aos favoritos
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.Mais sobre mim

.Pesquisar neste blog

 

.Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Dados gerais

Tive uma anorexia nervosa com crises bulímicas tratada e cuidada no HUC, onde ainda estou a ser acompanhada. Consegui atingir todos os meus objectivos, sou feliz e deixo aqui o meu testemunho em como é POSSÍVEL acabar com todo o sofrimento e dor que esta doença me trouxe.

.tags

. todas as tags

.Dos que mais gosto

. Feliz

. Férias

. Para ti... sorrio

. Conclusão da consulta

. Sofrida

. É agora ou nunca

. O lobo

. Mudar de vida

. A vida que eu levo

. Pensamentos contraditório...